MEs – gabarito da Prova Nacional 2020 após recurso

A Prova Nacional para Médicos em Especialização em CETs/SBA foi realizada em 13/12/2020

Bibliografia:
(1) Barash PG, Cullen BF, Stoelting RK et al. Clinical Anesthesia. 8th ed, 2017.
(2) Cangiani LM, Slullitel A, Potério GMB et al. Trat. de Anestesiologia SAESP. 8ª ed, 2017.
(3) Longnecker DE, Brown DL, Newman MF et al. Anesthesiology. 3nd ed, 2018.
(4) Gropper M, Eriksson L, Fleisher L, Wiener-Kronish P, Cohen N, Leslie K. – Miller’s Anesthesia, 9th Ed, Elsevier, Philadelphia, 2019.
(5) Manica J (Org.). Anestesiologia, 4ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2018. 4ª ed, Porto Alegre: 2017.
(6) Resolução 2174/2017 do Conselho Federal de Medicina – CFM. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/BR/2017/2174
(7) Estatuto, Regulamentos e Regimentos da Sociedade Brasileira de Anestesiologia – SBA. Disponíveis em: https://www.sbahq.org/estatuto


Funcionamento sede SBA final de ano

Por conta das festividades de final de ano, haverá mudança no horário de funcionamento da sede SBA.

  • Dia 23/12, quarta-feira – encerramento do expediente às 12h, retornando as atividades no dia 28, segunda-feira, em horário normal.
  • Dia 30/12, quarta-feira – encerramento do expediente às 12h, retornando as atividades no dia 4/1, segunda-feira, em horário normal.
  • Não haverá expediente nos dias 24/12, 25/12, 31/12 e 1/1

Boas festas!


Carta de Recife: conheça, faça o download e divulgue

Já está disponível a edição atualizada da Carta de Recife. O documento passou por modificações desde a oitava edição do Simpósio de Saúde Ocupacional (Siso), realizada em setembro deste ano com a presença das regionais da SBA. Como signatários, estão as regionais filiadas à SBA e as cooperativas de anestesiologia.

>Clique aqui e faça download
>Saiba como foi o processo de atualização do Documento

A Carta de Recife nasceu da urgência em disseminar informações, protocolos, promover o debate e iniciativas efetivas para garantir padrões mínimos de promoção do bem-estar ocupacional dos anestesiologistas recomendados pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia. Durante o Siso, após a apresentação dos resultados das regionais signatárias do documento, os diretores de Defesa Profissional presentes assumiram o compromisso de atuar juntos, em grupos, para a atualização do documento e apresentação de novas propostas.

Ao longo do ano de 2020, o Departamento de Defesa Profissional se engajou em diversos projetos juntamente com as Comissões da SBA. O diretor do Departamento de Defesa Profissional da SBA, dr. Luis Antonio dos Santos Diego, contou que dentre as inúmeras realizações, encontra-se a participação na atualização da Carta de Recife, juntamente com as Regionais signatárias que se fizeram representar no Siso em setembro deste ano.

“A grande novidade é a possibilidade de todos os signatários virem a compartilhar projetos com todos os outros signatários. Esses projetos ficarão na aba permanente da Carta de Recife no Portal SBA e assim todos poderão se beneficiar das iniciativas exitosas que cada signatário promoveu”.

Dr. Diego acrescentou que: “A Carta de Recife já é mais que uma brilhante iniciativa que há dois anos nasceu durante o Siso na belíssima cidade do Recife sob os auspícios da Saepe e uma confraternização linda, na qual não tive o prazer de participar. Hoje a Carta de Recife é um conceito pelo qual lutaremos. A SBA cumprirá seu papel e todos os signatários, temos certeza, estarão ombro-a-ombro”.


Inscrições abertas para o Edital de Medicina Aeroespacial

A Medicina Aeroespacial também é área de atuação da anestesiologia. As inscrições para o Exame de Proficiência para Obtenção do Certificado de Área de Atuação em Medicina Aeroespacial serão encerradas no dia 30/12/2020.

>Para participar, acesse o edital disponível neste link http://bit.ly/editalmedaeroespacial

Documentação e comprovante de pagamento da taxa descrita no edital, deve ser enviado para sbmaero@gmail.com


O edital é de responsabilidade da Sociedade Brasileira de Medicina Aeroespacial (SBMA). Dúvidas devem ser encaminhadas para a SBMA por meio do e-mail sbmaero@gmail.com ou via chat disponível no link https://www.sbma.org.br/contato

 


44ª Jornada Norte/Nordeste de Anestesiologia (JONNA)

Estão abertas as inscrições para a 44ª JONNA, que será realizada entre os dias 26 e 28 de março de 2021. A Jornada acontecerá no Gran Hotel Stella Maris Resort & Conventions, em Salvador (BA), com a infraestrutura necessária para oportunizar a troca de conhecimento e totalmente reformulada para atender às medidas de saúde com conforto e segurança.

>Clique aqui e efetue a sua inscrição

Diversas atividades estão programadas para esses três dias de evento, trazendo temas atuais no universo da anestesiologia, com um olhar voltado, além da inovação, para a segurança na prática anestésica e saúde ocupacional do profissional. O Problem Based Learning (PBL), com discussão de casos clínicos em grupos de oito participantes, será uma rica oportunidade para a troca de experiências e conhecimentos, com palestrantes referências em suas áreas de atuação. Além disso, o curso ETTI da SBA será realizado pela primeira vez em uma jornada regional (vagas esgotadas).

>Clique aqui e confira a programação

Para o presidente da 44ª JONNA, dr. Paulo Medauar, “será um momento de encontros, reencontros e confraternização, após um ano de tantos desafios. Será a oportunidade também de assistir o que de melhor será apresentado na atualização de temas palpitantes para a prática da especialidade, seguindo todos os protocolos de segurança preconizados pelos órgãos de saúde”.


Covid-19 – Declaração Conjunta da ASA e da APSF. Traduzida

Declaração Conjunta da Sociedade Americana de Anestesiologistas e Fundação para a Segurança do Paciente de Anestesia a respeito de Cirurgia Eletiva e Anestesia para Pacientes pós-infecção Covid-19.

8 de dezembro de 2020

Sociedade Americana de Anestesiologistas (ASA)
Fundação para a Segurança do Paciente de Anestesia (APSF)

A tradução para a língua portuguesa (BR) foi autorizada pela American Society of Anesthesiologists (ASA) and Anesthesia Patient Safety Foundation (APSF). Entretanto, foi realizada pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia e é de sua inteira responsabilidade.

Revisores:
Dr. Rogean Rodrigues Nunes – Diretor Presidente da Sociedade Brasileira de Anestesiologia
Dr. Luis Antonio dos Santos Diego – Diretor do Departamento de Defesa Profissional
Dr. Pablo Britto Detoni – Presidente da Comissão de Saúde Ocupacional
Dr. Mauro Pereira de Azevedo – Secretário da Comissão de Saúde Ocupacional
Dr. Antônio Roberto Carraretto – Membro da Comissão de Saúde Ocupacional

Desde que os hospitais voltaram a realizar cirurgias eletivas durante a pandemia da Covid-19, a determinação do tempo ideal para se realizar procedimentos em pacientes que se recuperaram da Covid-19 e do nível adequado de avaliação pré-operatória representa um desafio diante da atual falta de evidências ou de precedentes. As orientações a seguir destinam-se a auxiliar hospitais, cirurgiões, anestesiologistas ou outros médicos que realizam procedimentos, na avaliação e programação destes pacientes, estando sujeitas a alterações à medida em que novas evidências surgirem.

De um modo geral, todos os procedimentos não urgentes devem ser adiados até que o paciente tenha cumprido com os critérios de isolamento e cuidados de transmissão e a Covid-19 tenha entrado na fase de recuperação. As cirurgias eletivas devem ser realizadas em pacientes que se recuperaram da doença, de comum acordo entre o anestesiologista e o cirurgião ou outro médico que realizará o procedimento.

O que determina quando um paciente com confirmação da Covid-19 não está mais em risco de transmissão? 

O Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) oferece orientação para os médicos decidirem quando os pacientes internados podem interromper os cuidados de transmissão (ex.: isolamento, uso de equipamento de proteção individual e controles de engenharia) ou quando os pacientes ambulatoriais podem sair do isolamento domiciliar. 

Os pacientes infectados com SARS-CoV-2, confirmados por teste de secreção respiratória de reação em cadeia da polimerase por transcriptase reversa (RT-PCR) podem estar assintomáticos ou sintomáticos. Os pacientes sintomáticos podem ainda ser classificados em dois subgrupos dependendo da gravidade dos sintomas. O Apêndice – A apresenta as definições destes níveis de gravidade relacionados à Covid-19.  

  • Pacientes com sintomas leves a moderados* (geralmente aqueles com pneumonia viral ou saturação da hemoglobina abaixo de 94%)
  • Pacientes que tiveram a Covid-19 grave ou crítica** (ex.: pneumonia, insuficiência respiratória hipoxêmica, choque séptico).

Pacientes gravemente imunocomprometidos***, independentemente de estarem sofrendo da Covid-19, assintomática ou sintomática, devem ser considerados em separado.

Os dados atuais indicam que, em pacientes com a Covid-19 leve a moderada, a repetição de testes de RT-PCR pode detectar SARS-CoV-2 RNA por um período prolongado após o primeiro aparecimento dos sintomas. Entretanto, nesses pacientes, não foi detectado o vírus com capacidade de replicação a partir de 10 dias após o início dos sintomas. Com base nesta informação, o CDC recomenda que os médicos utilizem uma estratégia baseada em tempo e sintomatologia para decidirem quando os pacientes não estão mais transmitindo o vírus.

Para pacientes com a Covid-19 confirmada que não estão gravemente imunocomprometidos e que apresentam sintomas leves a moderados*, o CDC recomenda interromper o isolamento e outros cuidados de transmissão quando observados:

  1. Pelo menos 10 dias tenham se passado desde o aparecimento dos sintomas.
  2. Pelo menos 24 horas tenham se passado desde o último episódio de febre, sem o uso de antitérmicos.
  3. Os sintomas (ex.: tosse, falta de ar) tenham melhorado.

Para os pacientes que não estiverem gravemente imunocomprometidos e que estiveram assintomáticos durante o seu período de infecção, o isolamento e os cuidados de transmissão poderão ser interrompidos após 10 dias a partir da data do primeiro teste diagnóstico positivo para o vírus.

Em aproximadamente 95% dos pacientes graves ou críticos (incluindo alguns com imunocomprometimento grave), o vírus com capacidade de replicação não esteve presente após 15 dias a partir do início dos sintomas. O vírus com capacidade de replicação não foi detectado em nenhum paciente grave ou crítico além de 20 dias após o início dos sintomas. 

Portanto, em pacientes com doença grave a crítica** ou que estão gravemente imunocomprometidos***, o CDC recomenda interromper o isolamento e outros cuidados de transmissão quando observados:

  1. Quatro semanas para um paciente assintomático ou após recuperação de sintomas leves, não respiratórios.
  2. Seis semanas para um paciente sintomático (ex.: tosse, dispneia) que não necessitou de internação.
  3. Oito a dez semanas para um paciente sintomático que é diabético, está imunocomprometido ou hospitalizado.
  4. Doze semanas para um paciente que deu entrada na UTI devido à Covid-19.

Estes tempos não devem ser considerados definitivos. A avaliação de risco pré-operatório deve ser individualizada e deve considerar a intensidade do trauma cirúrgico, as comorbidades do paciente assim como o risco e benefício de se adiar a cirurgia por mais um tempo. 

Sintomas residuais como fadiga, falta de ar e dor torácica são comuns em pacientes que tiveram Covid-19 (6,7). Estes sintomas podem estar presentes por mais de 60 dias após o diagnóstico (7). Além disso, a Covid-19 pode ter efeitos deletérios de longo prazo na anatomia e função do miocárdio (8).

Para pacientes que se recuperaram da Covid-19, especialmente aqueles com sintomas residuais, deve-se fazer uma avaliação pré-operatória mais abrangente, marcada com antecedência à cirurgia e com atenção especial dedicada ao sistema cardiopulmonar. 

É necessário repetir o teste para SARS-CoV-2?

No momento, o CDC não recomenda a repetição do teste para a Covid-19 dentro de um período de 90 dias a partir do início dos sintomas (9). A repetição do teste de PCR em pacientes assintomáticos é fortemente desestimulada, uma vez que testes de PCR positivos persistentes ou recorrentes são comuns após a recuperação. No entanto, se um paciente apresentar recidiva dos sintomas após 90 dias, pode-se considerar repetir o teste e realizar consulta com um infectologista.

Uma vez que o período de 90 dias tenha terminado, o paciente deve ser submetido a um teste de PCR nasofaríngeo pré-operatório, idealmente ≤ três dias antes do procedimento. 


Referências

  1.  COVIDSurg Collaborative. Delaying surgery for patients with a previous SARS‐CoV‐2 infection. BJS 2020; 107: e601–e602. https://doi.org/10.1002/bjs.12050
  2. Canet J, Gallart L, Gomar C, et al. Prediction of postoperative pulmonary complications in a population-based surgical cohort. Anesthesiology 2010; 113:1338. https://doi.org/10.1097/ALN.0b013e3181fc6e0a
  3. Guan WJ, Liang WH, Zhao Y, et al. Comorbidity and its impact on 1590 patients with COVID-19 in China: a nationwide analysis. Eur Respir J 2020. DOI: 10.1183/13993003.00547-2020
  4. Petrilli CM, Jones SA, Yang J, et al. Factors associated with hospital admission and critical illness among 5279 people with coronavirus disease 2019 in New York City: prospective cohort study. BMJ 2020;369:m1966 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.m1966.
  5. Hsieh M-J, Lee W-C, Cho H-Y, et al. Recovery of pulmonary functions, exercise capacity, and quality of life after pulmonary rehabilitation in survivors of ARDS due to severe influenza A (H1N1) pneumonitis. Influenza and other respiratory viruses. Apr 2018. https://doi.org/10.1111/irv.12566
  6. Tenforde MW, Kim SS, Lindsell CJ., et al. Symptom Duration and Risk Factors for Delayed Return to Usual Health Among Outpatients with COVID-19 in a Multistate Health Care Systems Network – United States, March-June 2020. MMWR 2020 Jul 31;69(30):993-998. https://dx.doi.org/10.15585%2Fmmwr.mm6930e1
  7. Carfi A, Bernabei R, Landi F., et al. Persistent Symptoms in Patients After Acute COVID-19. JAMA July 9, 2020. doi:10.1001/jama.2020.12603
  8. Puntmann VO, Carerj ML, Wieters I, et al. Outcomes of Cardiovascular Magnetic Resonance Imaging in Patients Recently Recovered From Coronavirus Disease 2019 (COVID-19). JAMA Cardiol. 2020;5(11):1265-1273. doi:10.1001/jamacardio.2020.3557
  9. https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/duration-isolation.html Accessed Oct 28, 2020

Apêndice – A: Definições para Níveis de Gravidade de Doença relacionada à Covid-19

Os estudos usados para definir as orientações contidas nesta declaração conjunta não definem claramente a doença “grave” ou “crítica”. As definições descritas nas Diretrizes de Tratamento da Covid-19 do Instituto Nacional de Saúde (citadas nas referências abaixo) são sugeridas para a categorização da doença. O nível mais alto de gravidade vivenciado pelo paciente em algum momento no decorrer da doença deve ser utilizado. 

* Doença Leve: Sinais e sintomas da Covid-19 (ex.: febre, tosse, dor de garganta, mal-estar, cefaleia, dor muscular) com falta de ar, dispneia ou exame de imagem de tórax anormal. 

* Doença Moderada: Evidência de doença do trato respiratório inferior através de avaliação clínica ou exame de imagem e saturação da hemoglobina, pelo oxigênio, ≥94% em ar ambiente ao nível do mar. 

** Doença Grave: Frequência Respiratória >30 respirações por minuto, saturação da hemoglobina, pelo oxigênio, <94% em ar ambiente ao nível do mar (para pacientes com hypoxemia crônica, uma diminuição de >3% da linha de base), uma razão de pressão parcial arterial de oxigênio para fração inspirada de oxigênio (PaO2/FiO2) <300 mmHg ou infiltrados pulmonares acometendo >50% dos campos pulmonares. 

** Doença Crítica: A presença de insuficiência respiratória, choque séptico e/ou disfunção múltipla de órgãos. 

*** Os estudos utilizados para a definição destas orientações não definem claramente “imunocomprometimento grave”. Para fins desta orientação, o termo “gravemente imunocomprometidos” refere-se a pacientes:

  • Atualmente sendo submetidos à quimioterapia para câncer.
  • Que tenham recebido células tronco hematopoiéticas ou transplante de órgão sólido no último ano.
  • Com HIV não tratado e contagem de linfócitos CD4 T <200.
  • Com transtorno de imunodeficiência primária combinada.
  • Tratados com prednisona >20mg/dia por mais de 14 dias.

Fontes de referências dos sites do CDC e NIH em 22 de setembro de 2020:

Interim Clinical Guidance for Management of Patients with Confirmed Coronavirus Disease (COVID-19)
https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/clinical-guidance-management-patients.html

Overview of testing
https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/testing-overview.html

Discontinuation of Transmission-Based Precautions and Disposition of Patients with COVID-19 in Healthcare Settings (Interim Guidance)
https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/disposition-hospitalized-patients.html

Duration of Isolation and Precautions for Adults with COVID-19
https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/duration-isolation.html?CDC_AA_refVal=https%3A%2F%2Fwww.cdc.gov%2Fcoronavirus%2F2019-ncov%2Fcommunity%2Fstrategy-discontinue-isolation.html

National Institutes of Health (NIH) COVID-19 Treatment Guidelines
https://www.covid19treatmentguidelines.nih.gov/whats-new/

>Acesse o documento original clicando aqui 


Lista de aprovados no 172º SAVA, Fortaleza (CE)

Confira a lista de aprovados no 172º SAVA, realizado dias 5 e 6 de dezembro de 2020, em Fortaleza (CE)

Alana Maiara Martins Bezerra Buiatti
Álvaro de Paula Cavalcante
Bárbara Maria de Macêdo Samaan
Bruno Hiroshi Sakamoto Leal
Felipe Barbosa Lima
Igor Renan Vasconcelos de Sousa
Ivo de Castro Assis
José Nazareno de Paula Sampaio
Laíze Ribeiro Terra
Oziel de Souza Lima Filho
Priscila Fechine Ribeiro de Figueirêdo
Silvia Almeida Vieira
Ticiana Autran Cavalcante Araujo

Gabarito da Prova Nacional 2020 – MEs

Prova Nacional para Médicos em Especialização em CETs/SBA realizada em 13/12/2020
Informações importantes sobre a Prova Nacional de ME:

1- O ME que desejar solicitar recurso de alguma questão deverá fazê-lo ao responsável pelo seu respectivo CET e apresentar sua prova.  Não serão aceitos recursos enviados diretamente pelos MEs.

2- Somente poderão ser enviados recursos pelos responsáveis por CETs para os e-mails administrativo.cets@sbahq.org com cópia para provas@sbahq.org

3- O prazo para envio de recursos será o dia 18/12/2020, sexta-feira, até 12h, devendo ser utilizado formulário que estará disponibilizado aos responsáveis.

4- O formulário foi encaminhado aos responsáveis por CETs em 14/12/2020, modelo de formulário para recursos.

5- Somente serão analisados recursos que tenham como base a bibliografia recomendada e amplamente divulgada pela CET.

Bibliografia:
(1)      Barash PG, Cullen BF, Stoelting RK et al. Clinical Anesthesia. 8th ed, 2017.
(2)      Cangiani LM, Slullitel A, Potério GMB et al. Trat. de Anestesiologia SAESP. 8ª ed, 2017.
(3)      Longnecker DE, Brown DL, Newman MF et al. Anesthesiology. 3nd ed, 2018.
(4)      Gropper M, Eriksson L, Fleisher L, Wiener-Kronish P, Cohen N, Leslie K. – Miller’s Anesthesia, 9th Ed, Elsevier, Philadelphia, 2019.
(5)      Manica J (Org.). Anestesiologia, 4ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2018. 4ª ed, Porto Alegre: 2017.
(6)      Resolução 2174/2017 do Conselho Federal de Medicina – CFM. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/BR/2017/2174
(7)      Estatuto, Regulamentos e Regimentos da Sociedade Brasileira de Anestesiologia – SBA. Disponíveis em: https://www.sbahq.org/estatuto


Nota de falecimento prof. dr. Sílvio Ramos Lins

É com profundo pesar que a SBA comunica o falecimento do médico anestesiologista, prof. dr. Sílvio Ramos Lins, por complicações decorrentes da Covid-19. 

Formado na Bahia, fez residência no HSE-RJ e foi convidado pelo prof. José Affonso Zugliani, em meados de 1970, para fazer parte do Departamento de Cirurgia como professor de anestesiologia da Universidade Federal Fluminense (UFF). 

A importância do dr. Silvio para a anestesiologia é incontestável, tanto que, em vida, foi homenageado com o seu nome no CET do Hospital Universitário Antonio Pedro -UFF.

Nesse momento de tristeza e consternação, compartilhamos com amigos e familiares a dor pela perda deste valoroso colega.


Confira o trecho da homenagem do CET ao prof. dr. Sílvio Ramos Lins:

“Apesar de sabermos que a morte é uma das certezas da vida, hoje a perda é dolorosa. Fica a mensagem do exemplo por alguns motivos básicos, entre eles o da razão do nosso trabalho, o cuidado com o outro – nosso paciente que sofre as mazelas da corrupção humana. Fica a mensagem para nos reinventarmos e trabalharmos com simplicidade, o dinheiro será sempre consequência e não a causa de tudo. Ele ganhou homenagem em vida com o nome do nosso CET, e por vezes questionava o fato, sem entender que o exemplo de trabalho e dedicação para sempre ficará entre nós”.