5/5 – Dia Mundial da Higiene das Mãos

A campanha global Salve Vidas: Higienize Suas Mãos, lançada em 2009 e celebrada anualmente em 5 de maio – Dia Mundial da Higiene das Mãos – tem como objetivos conscientizar, promover, dar visibilidade e sustentabilidade a esse tema nos cuidados de saúde, unindo as pessoas em apoio à melhoria da higiene das mãos em todo o mundo.

O tema da campanha é Alcançando a higiene das mãos no local de atendimento e o slogan: ‘segundos salvam vidas – higienize as mãos!’

Para as comemorações de 2021, a OMS convoca os profissionais de saúde para realizar uma ação eficaz de higiene das mãos no local de atendimento. O ponto de cuidado refere-se ao lugar onde três elementos se encontram: o paciente, o profissional de saúde e o cuidado ou tratamento que envolve o contato com o paciente ou seu entorno.

A higiene das mãos (com preparação alcoólica ou com sabonete líquido e água) é uma das ações mais eficazes que se pode executar para reduzir a propagação de patógenos e prevenir infecções, incluindo a Covid-19. Assim, tanto os profissionais de saúde quanto a comunidade podem desempenhar um papel importante na prevenção das infecções, praticando a higiene frequente das mãos e salvando vidas.

Fontes:

Agência Nacional de Vigilância Sanitária: segurança do paciente – higienização das mãos

World Health Organization


Novas orientações sobre rotulagem de medicamentos importados

Na última quinta-feira, dia 29 de abril, foi enviado ao Ministério da Saúde um documento com novas orientações sobre o acesso à informação e rotulagem de medicamentos importados, recebidos por doação, durante a pandemia pela Covid-19.

Nesse novo documento, são apresentadas seis recomendações ao órgão de saúde que visam garantir a Segurança do Paciente, assim como apresenta sugestões de modelo de etiquetas para rotulagem dos medicamentos e de cartaz com informações a serem disponibilizadas para as unidades assistenciais dos estabelecimentos de saúde. A utilização dos padrões internacionais por cores foi destacada.

O documento foi assinado pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA), a Associação Brasileira de Medicina de Emergência (Abramede), a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib), o Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos (ISMP Brasil, a Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde (SBRAFH), a Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente (REBRAENSP) e a Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente (Sobrasp).

1- Que sejam elaboradas e implantadas medidas que priorizem a Segurança do Paciente, especialmente quanto ao acesso às informações e rotulagem das embalagens primária e secundária de medicamentos em português;

2- Que, no caso de não haver possibilidade de tradução da bula do medicamento em sua integralidade, o Ministério da Saúde elabore um informe técnico em português, que deverá acompanhar os medicamentos importados enviados aos estabelecimentos de saúde. Neste informe técnico devem constar os requisitos essenciais para o uso seguro dos medicamentos, contendo no mínimo, as seguintes informações em português: forma farmacêutica e apresentação; indicação; posologia; reconstituição e/ou diluição, incluindo tipo e volume de diluente; compatibilidade; estabilidade após reconstituição e após diluição, quando aplicável; cuidados relacionados à administração e armazenamento;

3- Que o Ministério da Saúde considere a possibilidade de envio dos rótulos em português juntamente com os medicamentos. São informações indispensáveis à rotulagem:

a) Denominação genérica do medicamento;
b) Concentração e via de administração;
c) Utilização da padronização internacional por cores para os medicamentos listados na tabela abaixo;

Orientações para informações e rotulagem de medicamentos importados 29 04 21 versão atualizada 2

d) Informações relativas às condições de armazenamento e conservação (rótulo da embalagem secundária);
e) Em situações em que não haja possibilidade de impressão em cores, recomenda-se utilizar a etiqueta com fundo branco e com letras pretas.
Esta proposta também se aplica aos medicamentos que não fazem parte das classes relacionadas na letra c, e que eventualmente possam ser recebidos;

Importante:
• Etiquetas e rótulos devem ser elaborados utilizando fonte sem serifa (ex.: Arial, Verdana, Tahoma), com letra no tamanho mínimo de 11 ou 12 pontos, com espaçamento adequado entre as letras e palavras, garantindo a legibilidade das informações;

• Caso não seja possível fixar a etiqueta diretamente na ampola, recomenda-se embalar a ampola em saco plástico e fixar a etiqueta na embalagem plástica.

4. Que, havendo apresentações farmacêuticas diferentes daquelas disponíveis no Brasil, essa informação seja destacada utilizando uma etiqueta auxiliar de alerta, que deverá ser fixada juntamente com a etiqueta com as informações indispensáveis à rotulagem. Vide modelos de etiqueta auxiliar e alerta (abaixo);

5. Que oriente os usuários dos referidos produtos sobre a notificação “de quaisquer eventos adversos, incluindo erros e near miss”, no sistema VigiMed da Anvisa;

6. Que o Ministério da Saúde disponibilize um canal de comunicação, amplamente divulgado, para que os estabelecimentos de saúde possam esclarecer dúvidas.


Clique aqui para fazer o download das sugestões de modelo de etiquetas para rotulagem dos medicamentos e de cartaz com informações a serem disponibilizadas para as unidades assistenciais dos estabelecimentos de saúde. 


Acesse abaixo as orientações enviadas pelo Ministério da Saúde sobre os medicamentos doados pelo governo da Espanha

Besilato de Atracúrio
Besilato de Cisatracúrio
Brometo de Rocurônio
Citrato de Fentanila
Midazolam 5mg 3ml
Midazolam 5mg 10ml
Propofol


Concurso de Fotografia da WFSA 2021

O Concurso de Fotografia da WFSA  2021 irá celebrar e promover as fotos mais autênticas, representativas e impactantes do mundo da prática em anestesiologia. A WFSA espera que as fotos enviadas retratem uma história frequentemente desconhecida, sobre o trabalho de especialistas em anestesiologia e cuidados perioperatórios. O prazo para envio dos materiais se encerra em 9/5/2021

> Acesse o Regulamento do Concurso
>Acesse o Termo de Consentimento 

Através das fotos, vídeos e áudios, a WFSA demonstra o trabalho dos anestesiologistas durante seus cuidados clínicos, treinamento e aprendizagem. Esses materiais servem para explicar o papel que os anestesiologistas desempenham para garantir a segurança dos pacientes, bem como para ilustrar os materiais educacionais que a WFSA cria ou usa.

Tema:

O concurso está dividido em 5 temas:

  1. Assistência aos pacientes na sala de cirurgia (SC), na sala de recuperação pós-anestésica (SRPA), ou em terapia intensiva (UTI).
  2. Assistência aos pacientes fora dessas áreas.
  3. Educação médica continuada (congressos, treinamento de residentes, etc.).
  4. A equipe cirúrgica.
  5. Anestesia no âmbito da Saúde Global (anestesia em ambientes com poucos recursos).

Prêmios

  1. Primeiro lugar: Passe VIP para o Congresso Mundial de Anestesiologia (WCA2021) em 2021, e 200 dólares (em vouchers).
  2. Segundo lugar: 150 dólares (em vouchers).
  3. Terceiro lugar: 100 dólares (em vouchers).

Os primeiros lugares serão escolhidos entre os vencedores de cada uma das cinco categorias. Os vencedores temáticos não selecionados para os prêmios receberão um certificado, e serão apresentados no WCA21 e no site da WFSA wfsahq.org .


Nota Importante sobre Medicamentos Importados

A Sociedade Brasileira de Anestesiologia, em conjunto com a Associação Brasileira de Medicina de Emergência (Abramede), a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib), o Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos (ISMP) e Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde (SBRAFH), enviou ofício ao Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e ao Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS) com “Orientações excepcionais sobre o manejo de medicamentos importados, recebidos como doação, com foco na Segurança do Paciente”.

O documento apresenta 12 recomendações das sociedades signatárias frente aos medicamentos importados. Veja abaixo

1. O acesso aos medicamentos, indispensáveis no manejo de paciente hospitalizados e no enfrentamento da pandemia pela COVID-19, deve ser priorizado e garantido, principalmente aqueles relacionados à intubação traqueal e manutenção da ventilação mecânica;

2. Sejam elaboradas e implementadas medidas que priorizem a Segurança do Paciente, especialmente na rotulagem das embalagens primária e secundária de medicamentos importados, originalmente identificados em outro idioma;

3. Os documentos emitidos pelo Ministério da Saúde (Orientações aos serviços de saúde sobre uso e cuidados de conservação, em conformidade à RDC nº 483, de 19 de março de 2021) para os medicamentos besilato de cisatracúrio, citrato de fentanila, midazolam e propofol, sejam aceitos apenas como medidas de contingência para o uso dos medicamentos recebidos como doação. Recomendamos que o Ministério da Saúde providencie com a maior brevidade possível a tradução da bula na íntegra, viabilizando informações sobre armazenamento, preparo e administração destes medicamentos, estando facilmente disponíveis para a equipe envolvida no manejo direto do paciente;

4. Que a dispensação desses medicamentos seja realizada exclusivamente por meio de prescrição/formulário, conforme legislação vigente, evitando-se a prescrição verbal;

5. Que o Serviço de Farmácia Hospitalar (SFH), junto à alta liderança da instituição, avalie a possibilidade de adoção de embalagem (secundária transparente) e rotulagem de identificação de alerta quanto às particularidades dos produtos recebidos como doação, considerando as diferenças entre a padronização de medicamentos do EAS e os medicamentos recebidos como medida de contingência;

6. Nos casos em que a embalagem primária do medicamento vir escrita em chinês, seja elaborado um rótulo contendo a denominação genérica do medicamento, concentração e via de administração, utilizando fonte sem serifa (ex.: Arial, Verdana, Tahoma), com letra no tamanho mínimo de 11
ou 12 pontos, com espaçamento adequado entre as letras e palavras, garantindo a legibilidade das informações;

7. Que o SFH realize o armazenamento separado e identificado desses medicamentos, evitando trocas e minimizando potenciais erros em toda a cadeia de abastecimento;

8. A alta liderança do EAS e o SFH, bem como a Comissão de Farmácia e Terapêutica recomendem que a apresentação de midazolam 5mg/mL (contendo 2mL), por ser diferente das comercializadas nacionalmente (3mL e 10mL), seja devidamente registrada em prescrição para que as equipes envolvidas na prescrição, dispensação, preparo e administração, tenham ciência da apresentação do medicamento prescrito e disponível e evitem erros, principalmente relacionados à dose e na administração;

9. O SFH avalie a possibilidade de realizar a dispensação do medicamento cisatracúrio (pó liofilizado) acompanhado do diluente recomendado (água para injetáveis), como medida estratégica para proporcionar a reconstituição com diluente apropriado, por se tratar de forma farmacêutica diferente da comercializada nacionalmente;

10.O SFH realize a dupla checagem na dispensação desses medicamentos e que a equipe de enfermagem obedeça a todas as medidas de segurança envolvidas nos processos de preparo e administração;

11.O processo de devolução desses medicamentos seja realizado imediatamente, em caso de não utilização, evitando desta forma excedentes nas unidades assistenciais e potencial aumento do risco de ocorrência de eventos adversos envolvendo esses medicamentos;

12.Em caso de ocorrência de eventos adversos, assim como orienta o Ministério da Saúde, realizar a notificação no VIGIMED – Sistema de Notificação de Eventos Adversos a Medicamentos, disponível em http://portal.anvisa.gov.br/vigimed, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.


Lista de aprovados no Concurso da Medicina Aeroespacial

Abaixo, a lista dos 20 anestesiologistas aprovados no concurso de Medicina Aeroespecial

  • Alan Rezende Freitas Colares
  • Alipio Agra Lima Filho
  • Ana Cristina Martins de Vasconcelos Oshiro
  • Ana Paola Brasil Medeiros
  • Bárbara Lima Sousa
  • Cesar Henrique Pereira da Silva Fornero
  • Elizabeth Lorenz
  • Gisele Leite L´Abbate
  • Jussara França Resende
  • Leandro Oliveira Martins Côrtes
  • Maria Eduarda Becho Arger Marchetti
  • Marta Regina Scheider Santos
  • Matheus Acácio Oliveira Nunes Leal
  • Milton Gotardo
  • Pablo Matins Biagioni de Menezes
  • Pamella Braga Morais
  • Paulo Roberto Lima
  • Rafael Villela Silva Derré Torres
  • Rosana Borges de Carvalho
  • Silmara Magalhães de Carvalho


Nota de Falecimento: sra. Tereza Rodrigues Nunes

É com profundo pesar que a SBA informa o falecimento da senhora Tereza Rodrigues Nunes, mãe do dr. Rogean Rodrigues Nunes (CE), presidente da SBA no ano de 2020.

A notícia foi compartilhada também nas redes da regional do Ceará, veja abaixo:

Nesse momento de tristeza e consternação, compartilhamos nosso sentimento e solidariedade aos familiares e amigos.


Pesquisa: Medicamentos Prioritários – Covid-19, Segunda Onda 2021

A falta de medicamentos essenciais à intubação traqueal e manutenção da ventilação mecânica é fato amplamente divulgado nos meios de imprensa e por manifestação de anestesiologistas em todo Brasil.

Através da pesquisa abaixo, a SBA está buscando identificar a situação atual do fornecimento de medicamentos nos diversos estados brasileiros durante a pandemia Covid-19.

Responda à pesquisa

A SBA está atuando junto aos outros órgãos representativos, como a Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMED), a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), o Instituto para Prática Segura no Uso de Medicamentos (ISMP) e a Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde (SBRAFH), para trabalhar nas soluções de enfrentamento desse enorme desafio, então contamos com todos os associados da SBA no fornecimento dessas importantes informações.

A sua participação é FUNDAMENTAL para que a SBA possa ajudar a melhorar a situação do desabastecimento.


Ofício sobre eventual sobrepreço de medicamentos comercializados de uso prioritário no enfrentamento da Pandemia pela COVID-19

São Paulo, 09 de abril de 2021
Ofício ABRAMEDE/AMIB/ISMP/SBA/SBRAFH

Assunto: eventual sobrepreço de medicamentos comercializados de uso prioritário no enfrentamento da Pandemia pela COVID-19

>Clique aqui e acesse à nota na íntegra

Inicialmente reconhecemos e agradecemos o trabalho que vem sendo desenvolvido por esta Secretaria no enfrentamento da pandemia pela COVID-19. Neste momento mais crítico, na qualidade de entidades científicas, temos o objetivo comum de identificarmos estratégias e ações conjuntas que contribuam com a manutenção e qualidade da assistência à saúde.

Entendemos que o acesso aos medicamentos, tão necessários ao manejo de pacientes hospitalizados, deve ser priorizado e garantido, tendo em vista se tratarem de tecnologias indispensáveis à preservação da saúde e da vida. No entanto, a complexidade e as reais dificuldades enfrentadas pelos hospitais, nos últimos meses, frente à crescente demanda, aliada à escassez no mercado de medicamentos estratégicos, podem representar fatores de risco para o acesso a estes medicamentos e ter impacto negativo direto nos desfechos assistenciais.

Inserido neste contexto, eventuais práticas de mercado envolvendo sobrepreços de medicamentos comercializados, de uso prioritário na Pandemia pela COVID-19, podem representar uma preocupação e uma barreira importante de acesso, levando a sérias implicações clínicas.

Sabendo-se que a Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) monitora, dentre outros assuntos, a comercialização destas tecnologias e considerando a sua relevância e o seu caráter estratégico, solicitamos apoio técnico, no sentido de orientar os estabelecimentos de saúde quanto à adoção de medidas prioritárias em situações que envolvam eventual sobrepreço de medicamentos adquiridos ou que estejam em processo de aquisição.

Aumentos expressivos de preços de produtos essenciais, bem como divergências de preços praticados para os mesmos produtos, são situações que tem impacto direto nos processos de aquisição, não somente pelo maior valor agregado, mas pela brusca variação de preços em curto período de tempo. É compreensível alterações na economia de mercado, mas o abismo dessa diferença causa estranheza e cria problemas administrativos para aquisição, principalmente nos entes públicos.

Entendemos que todos os esforços administrativos são necessários neste momento, com o intuito de garantir a regularidade das aquisições e o abastecimento destes medicamentos, de modo a preservar a vida dos pacientes, aperfeiçoar o cuidado e a segurança nos atendimentos dos estabelecimentos de saúde. Reafirmamos que estamos à disposição para contribuir no sentido de melhor atender a todos os cidadãos/ pacientes, especialmente neste momento crítico.

Dr. Hélio Penna Guimarães – Presidente da Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE)
Dra. Suzana Margareth Ajeje Lobo – Presidente da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB)
Dr. Mário Borges Rosa – Presidente do Instituto para Práticas Seguras do Uso de Medicamentos (ISMP)
Dr. Auguto Key KarazawaTakashima – Presidente da Sociedade Brasileira de
Anestesiologia (SBA)
Dra. Valéria Santos Bezerra – Presidente da Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde (SBRAFH)


SBA Podcast #EP14 Cuidar do Paciente com Qualidade e Segurança

No episódio 14 do SBA Podcast, o podcaster do Medicina do Conhecimento, dr. Pablo Gusman, entrevistou o dr. Victor Grabois, presidente da Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente (Sobrasp), e  o diretor de Defesa Profissional da SBA, o professor e doutor dr. Luis Antonio Diego.

O episódio trouxe reflexões sobre o Núcleo de Segurança do Paciente e sobre a importância do cuidado com o profissional da saúde e a existência dos eventos adversos. Ele foi ao ar em um momento de relevância para a discussão do tema, pois estamos no Abril Verde, o mês de conscientização sobre a segurança no trabalho.

“O Anestesiologista está presente no momento muito difícil da segunda vitima, que somos nós. Os hospitais tem que se preocupar com o colaborador que se vê envolvido em um evento adverso, então o profissional tem que entender que, ao participar do Núcleo, ele terá um certo grau de atenção e acolhimento. É a proposta do cuidando de quem cuida”

Dr. Luis Antonio Diego

“Talvez os anestesiologistas tenham sido a primeira especialidade que tenha trabalhado de maneira sistemática o problema da segurança do paciente”

Dr. Victor Grabois

Sobre o Abril Verde

Comemora-se 8 anos de lançamento do Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP), que foi criado para contribuir para a qualificação do cuidado em saúde em todos os estabelecimentos de saúde do território nacional. A Segurança do Paciente é um dos seis atributos da qualidade do cuidado e tem adquirido, em todo o mundo, grande importância para os pacientes, famílias, gestores e profissionais de saúde com a finalidade de oferecer uma assistência segura.

 


Essa é uma parceria da Sociedade Brasileira de Anestesiologia e o Medicina do Conhecimento, afinal, compartilhar é multiplicar!


Atuação da SBA frente à Covid-19 é destaque no site do Ministério da Saúde

Acesse o conteúdo publicado originalmente no site do Ministério da Saúde. Clique aqui para acessar

Para instruir e capacitar o maior número de profissionais da saúde no atendimento de pacientes graves com covid-19, nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), a Associação Médica Intensiva Brasileira (AMIB) e a Sociedade Brasileira de Anestesiologistas (SBA) disponibilizaram cursos onlines gratuitos para atuação no enfrentamento à pandemia. A medida beneficiará o atendimento e a assistência nos hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS). 

De acordo com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, iniciativas como essas fortalecem o combate à pandemia no Brasil. “Quero reforçar, em nome do Ministério da Saúde, o nosso agradecimento a todos os profissionais que estão nessa luta contra a covid-19, se expondo todos os dias com a missão de cuidar e de salvar vidas”. 

Com o crescimento de casos de covid-19 e a necessidade de mais profissionais para atuarem em UTI, a AMIB criou o Projeto Covid-19 Online. O curso é coordenado pelo médico intensivista Afonso Celente, além de outros médicos experientes com mais de 15 anos de atuação em UTI, para dar o atendimento online a médicos que estão na linha de frente no combate à pandemia. 

Para o diretor presidente da SBA, Augusto Key Karazawa Takaschima, a entidade se sente honrada em auxiliar a todos os profissionais da saúde na capacitação do atendimento aos pacientes com covid-19. “Neste momento de desafio, juntamos nossos esforços para superar as limitações de recursos materiais e humanos. Estamos certos de que, mais do que nunca, ter informação disponível na forma de tutoriais pode auxiliar a salvar vidas”, destacou. Para acessar os conteúdos disponibilizado pela SBA, acesse aqui

Segundo a presidente da AMIB, Suzana Lobo, a associação tem trabalhado incansavelmente para gerar conteúdo científico e de educação médica que faça a diferença para o profissional que está na linha de frente do combate à pandemia. “Todo e qualquer esforço é válido, quando sabemos que podemos salvar vidas. Temos o orgulho de poder oferecer esses cursos gratuitamente para todos os profissionais, intensivistas ou não, elaborado pelos renomados e experientes intensivistas da AMIB”, afirmou. 

O curso foi desenvolvido pelos médicos palestrantes e professores da AMIB. São 25 aulas direcionadas a todos os profissionais da saúde com a finalidade de instruir e capacitar ao manejo do paciente diagnosticado com covid-19. As aulas são online para médicos não intensivistas atuarem em UTI. Os conteúdos foram produzidos em parceria com anestesiologistas que possuem expertise em UTI. Os profissionais de saúde interessados podem se inscrever no curso por meio do link: https://covid19webmeeting.com/

Outra iniciativa que irá aprimorar o trabalho de anestesiologistas nas UTI Covid-19 está em andamento pela Sociedade Brasileira de Anestesiologistas (SBA). São 11 tutoriais em vídeo com informações úteis e dicas práticas sobre rotinas de UTI. Os temas incluem a abordagem inicial dos pacientes, a comunicação com os familiares, técnicas de tratamento e as rotinas e prescrição em terapia intensiva. 

Para o diretor presidente da SBA, Augusto Key Karazawa Takaschima, a entidade se sente honrada em auxiliar a todos os profissionais da saúde na capacitação do atendimento aos pacientes com covid-19. “Neste momento de desafio, juntamos nossos esforços para superar as limitações de recursos materiais e humanos. Estamos certos de que, mais do que nunca, ter informação disponível na forma de tutoriais pode auxiliar a salvar vidas”, destacou. Para acessar os conteúdos disponibilizado pela SBA, acesse aqui